Blog do Tony

Rumo a 2015

OS PRIMEIROS GOVERNADORES- HISTORIA DO BRASIL... *

Chegara o Governador-geral Tomé de Sousa (1549-53) e depois de oscilar entre a “Graça”, de Diogo Álvares, próxima da Barra, “a povoação do Pereira”, num extremo, e o Bomfim, no outro extremo da enseada, resolveu-se por um sítio ao meio e eqüidistante aos dois, onde havia porto, elevação e planalto, para edificação. A cidade nova foi chamada “do Salvador”. Na bula de criação do bispado, dois anos depois, é chamada “São Salvador”, não com a idéia de um santo desse nome, senão como epíteto do Salvador, como ainda hoje se diz “Santo Cristo”: do Sanctus Salvator se fez São Salvador, mais freqüente ou popular, ainda hoje, que o nome primitivo, “Cidade do Salvador”. O menor esforço resolveu-se por Bahia, que ficou o nome comum na cidade, e da província, ou Estado.

Com o Governador vieram, na esquadra que o trouxe, as naus Conceição, Salvador e Ajuda e mais três caravelas, 600 homens de armas, 400 degredados, e o funcionalismo necessário a uma capital. Por ouvidor-mor, Pero Borges; por pró-curador, Antônio Cardoso de Barros; por capitão-mor da costa, Pero Góes da Silveira, como se diria hoje, ministério ou secretariado. Os jesuítas eram os Padres Manuel da Nóbrega, superior, Azpilcoeta Navarro, Antônio Pires e Leonardo Nunes, os irmãos Diogo Jácome e Vicente Rodrigues. “Tão grande parte, – diz um autor independente, por estrangeiro e protestante, Roberto Southey, – tomaram os Jesuítas na história da América do Sul, que estes primeiros nomes se tornam dignos de memória.” (R. Southey, Hist. do Brasil, Rio, 1862, t. I, p. 303).

Estes e outros. Logo começa o apostolado: Vicente Rodrigues, primeiro mestre, tem escola de ensinar a ler, escrever e contar. Leonardo Nunes e Diogo Jácome vão aos Ilhéus e Porto Seguro. Azpilcoeta Navarro e Antônio Pires ficam nas aldeias da Bahia. Logo, porém, Nóbrega sai em visita, recolhendo J ácome doente em Ilhéus, seguindo os dois para Porto Seguro, e, daí, para S. Vicente, Leonardo Nunes, acompanhado de dez ou doze meninos e alguns Guaranis, injustamente escravizados, a pedido de Nóbrega libertos por Tomé de Sousa, e restituídos à sua gente. “Parece-nos que não podemos deixar de dar a roupa que trouxemos a estes que querem ser cristãos, repartindo-Ih’ a, até ficarmos todos iguais com eles”. (Cartas, 74). Em 50, na armada de Simão da Gama de Andrade, chegam mais os Padres Afonso Braz, Manuel de Paiva, Francisco Pires e Salvador Rodrigues. O Pe. N avarro traduziu em idioma da terra orações e sermões, para a catequese. Paiva vai para Ilhéus e Braz para Espírito Santo. Aí se adquire o irmão Mateus Nogueira; em S. Vicente são recebidos os irmãos-línguas Pero Corrêa e João de Sousa, que serão os primeiros mártires do Brasil, e Manuel de Chaves. Na Bahia entraram João Gonsalves e Domingos Picorella.

Na armada desse ano vêm suprimentos de toda a ordem, armamentos e utilidades, no valor de 300 mil cruzados. No terceiro ano, a Rainha enviava muitas órfãs de famílias nobres, que deviam casar com oficiais. Também os Jesuítas receberam meninos órfãos, a educar. Como a falta de gado era urgente, o Governador mandou, em serviço de transporte direto, a Cabo Verde, a caravela Galga, que trocava o gado por madeira, muito necessário àquelas ilhas.

Nóbrega, com Antônio Pires, vão a Pernambuco, em 51.

Leonardo Nunes, de S. Vicente, organiza a catequese no sertão, com Diogo Jácome e os irmãos línguas, Pero Corrêa, Manuel de Chaves, João de Sousa, Fernão Luiz e outros.

A 22 de junho de 52 chega à Baía o 1.° Bispo do Brasil, – agora independente do bispado de Funchal, Dom Pedro Fernandes (Sardinha), bacharel pela Universidade de Paris, antigo vigário geral de Gôa, clérigo, de Évora, cuja experiente virtude deu esperança a el-Rei fosse a Igreja bem servida. “Nos primeiros tempos muitas cousas se hão-de dissimular que castigar, maiormente em terra tão nova”, dizia, já daqui, para Dom João III, o experiente prelado.

Entra o P. e Azpilcoeta Navarro, com doze homens, e entre eles um língua experimentado, Francisco Bruza de Espinhosa, ou Espinhoso, de Porto Seguro ao Sertão, alcançando as cabeceiras do rio J equetinhonha e o vale do Rio de S. Francisco, descendo, de torna viagem, ao litoral, pelo rio Pardo, 350 léguas entre índios ferozes.

Não somente fez Tomé de Sousa VIajar os seus auxiliares de governo, o ouvidor e o provedor-mor, como ele mesmo empreendeu, ao sul, viagem de inspeção e providências. E pelourinhos, cadeias, artilharia para fortins, medidas de segurança, foi distribuindo em seu caminho; nos Ilhéus demitiu o capitão, nomeando outro; sobre o Rio, embevecido, escreveu a el-Rei, desejando para o sítio uma povoação “honrada e boa”, como merecia; de S. Vicente aprovou a fundação da Vila de Todos os Santos, que, ao depois, ficou apenas Santos; a criação da Vila de Itanhaem, levantando, para defesa contra os Tamoios, a fortaleza da Bertioga. Subiu a serra do Cubatão, e elevou a vila a povoação de João Ramalho, Santo André da Borda do Campo. Do patriarca, diz a el-rei: “tem tantos filhos e netos bisnetos e descendentes delle ho nom ouso dizer a V. A. não tem cãa na cabeça nem no rosto e anda nove legoas a pe antes de jantar”. (Hist. da Colonização Porto cit., t. IH p. 365).

Tornou à Bahia, à espera do seu sucessor. Foi em tudo muito prudente e avisado, e, dizia Nóbrega, só ter um defeito: ser zeloso de mais em tudo que importava à real fazenda. O castigo severo que infligiu a índios rebeldes que mataram alguns reinóis – prendendo-os e atando-os à boca de peças que fez disparar, – aproveitou, por impressionante. A maneira forte é a mais suasória, com os povos fracos …

A esse tempo de Tomé de Sousa prende-se a viagem de Hans Staden, náufrago de nau espanhola de passagem, que aceitou do governador geral o posto de artilheiro da Bertioga; depois, prisioneiro dos selvagens, que o queriam matar, e dos quais escapou, tomou à Europa num navio francês, escrevendo um livro célebre: Descrição verdadeira de um país de selvagens nus, ferozes, canibais, situado no novo mundo, América … publicado em Francfort-do-Meno em 56, reimpresso em 57 em Marburgo, e inúmeras vezes mais.

Também Ulrico Schmidl, outro alemão, que assistiu à fundação de Buenos Aires, esteve no Paraguai e, daí, por terra, pelo sertão, veio ter a Piratininga e S. Vicente, em 53. Publicou mais tarde a História verdadeira de uma viagem curiosa na América ou Novo mundo pelo Brasil e Rio da Prata, desde o ano de 1534 até 1554, tirada em Francfort-do-Meno, em 1567.

Com o 2.° governador geral, Duarte da Costa (53-58), vieram, a 13 de Julho, os Padres Jesuítas Luiz da Grã, Braz Lourenço e Ambrósio Pires, e os irmãos Gregório Serrão, Antônio Blásquez, João Gonsalves e José de Anchieta, todos também de celebrada memória. A Companhia de Jesus cria a sua nova província do Brasil, nomeando provincial o Padre Manuel da Nóbrega. Morre, nesse ano, o primeiro jesuíta no Brasil, o Pe. Salvador Rodrigues, mas ingressa na Companhia, grande língua, o irmão Antônio Rodrigues, dos melhores conhecedores do idioma indígena e dos mais infatigáveis missionários. O Pe. Leonardo Nunes, agora com Vicente Rodrigues, José de Anchieta, Gregório Serrão, Afonso Braz, acode à catequese no sul, com tanta eficácia, indo e vindo, que os catecúmenos o chamam Abaré-Bebé, o padre voador.

Entre S. Vicente e Santo André deliberou Nóbrega a fundação definitiva do Colégio. E no lugar, entendendo-se com João Ramalho, chefes índios Tibiriçá e Caiubi , escolheu um sítio junto do Tietê, perto da confluência do Tamanduateí, entre este e o Anhangabaú, posição de defesa e boa vista, para onde trouxe os filhos dos índios do Campo, reunindo três aldeias numa, “onde se ajuntam novamente e a apartam os que se convertem e onde pus irmãos para os doutrinar e fiz solenemente uns 50 catecúmenos”, diz Nóbrega, em carta que publica o Dr. Serafim Leite (Os Jesuítas na Vila de S. Paulo, “Rev. do Arquivo Municipal”, n. XXI, S. Paulo, 1936, p. 9): “e esta carta de Nóbrega é a certidão de idade de S. Paulo de Piratininga” , no dia da degolação de S. João Batista, de 53. Faz-se a casa. Estabelecem-se os índios. Tibiriçá e Caiubi já aí estão.

No janeiro seguinte, j á preparada a casa, é a inauguração do Colégio de Piratininga – “alguns doze irmãos” , diz Anchieta – (mas não diz os que já estavam)-, que vieram de véspera, de S. Vicente, e, a 24 de Janeiro de 54, sob a invocação de S. Paulo, inaugura-se, com missa, o colégio, núcleo da povoação. Distribuídos por S. Vicente, Maniçoba, Gerebatiba, acorreriam a Piratininga, nesse ato solene, o provincial e os 13 jesuítas que, certamente, aí estariam a 24 de Janeiro, e foram:

Padres Manuel da Nóbrega, provincial, Leonardo Nunes, pioneiro de S. Vicente, Vicente Rodrigues, Afonso Braz, Francisco Pires e Manuel de Paiva, que ficaria por superior; irmãos José de Anchieta, Gregório Serrão, Antônio Rodrigues, Manuel de Chaves, Pero Corrêa, Diogo Jácome, João de Sousa e Mateus Nogueira. Se um ou dois pode aí estar demais, porque ficara a guardar outra casa, não é justo que se lhes omita o nome ao reconhecimento de uma ação de jesuítas, que ia ter imenso significado no tempo adiante. Esse colégio de Piratininga é, descreve Anchieta, “paupérrima e estreitíssima casinha”. “Permanecemos algumas vezes mais de vinte, em uma pobre casinha feita de barro e paus, coberta de palhas, tendo quatorze passos de comprimento e apenas dez de largura, onde estão ao mesmo tempo a escola, a enfermaria, o dormitório, o refeitório, a cozinha, a dispensa; todavia não invejamos as espaçosas habitações … ” (Anchieta, Cartas, cit., p. 43). É a célula inicial de São Paulo.

A 8 de Junho morrem, mártires dos Carijós, os irmãos Pero Corrêa e João de Sousa, admitidos no Brasil, e primeiros santos, aqui, da Companhia. Também mártir, naufraga, indo a Roma por procurador da Província, o Pe. Leonardo Nunes, de tantos serviços em S. Vicente. Igualmente santificado pela fama, morre na Bahia o irmão Domingos Pecorella. Ao cabo do ano havia na Província 26 jesuítas: 4 na Baía, 2 em Porto Seguro, 2 no Espírito Santo, 5 em S. Vicente e 13 em São Paulo.

Duarte da Costa pouco fez, porque pouco pôde; reclamou, não obteve. Contudo conseguiu a conquista de todo o Recôncavo, donde expeliu os selvagens. Por um filho estroina brigou com o Bispo que reclamou del-Rei: queixas recíprocas. Mas houve reconciliações, segundo depõe uma carta de jesuíta (Cartas avulsas, cit. p. 142). Contudo, no ano seguinte seguiu para o reino o Bispo, na companhia de Antônio Cardoso de Barros, a bordo da nau Nossa Senhora da Ajuda, que naufragou nos Baixios de D. Rodrigo (assim chamados do nome de D.

Rodrigo de Acunha, navegante espanhol, deixado por compatriotas na costa do Brasil e que aí, à foz do C ururip e , aportara, em 25) e prisioneiros dos Caetés foram por eles devorados, a 16 de junho de 56. A tribo desses índios, excomungada, foi votada ao extermínio.

Duas revoltas de índios acentuaram-se: uma na Bahia, que nas terras de Garcia de Ávila, além de Itapuan, para o norte da cidade, aprisionaram cristãos, destruíram fazendas e gados:

D. Álvaro da Costa, o filho escandaloso do governador, remiu os seus pecados, salvando a cidade, investindo contra os bárbaros, a quem incendiou as tabas e pôs em fuga. Outra represália de índios contra S. Paulo nascente, defendido por índios mansos e reinóis, grupados em tomo do Colégio, que era o núcleo da nova capital do sul. Na Bahia morre o Caramurú, deixando vasta parentela. De Cabo Frio a S. Vicente havia gentio inimigo dos Portugueses, sobressaindo um, o terrível Cufiabebe, de Hans Staden, que se cevava em sangue português. Acaba-se o tempo de Duarte da Costa, que não deixa de reservar para si, ou para a família, boas sesmarias. A capitania de Paraguaçu, de 57, é de D. Álvaro da Costa.

O terceiro governador geral, chegado a 28 de dezembro de 57, é Mem de Sá (1558-72), irmão do poeta Sá de Miranda, e é verdadeiramente benemérito: letrado em leis, ajuizado, amigo de Nóbrega, realiza um grande programa: expelir os Franceses que se haviam estabelecido no Rio de Janeiro e destruir a aliança que construíram com o gentio, de Cabo Frio à Bertioga.

Fonte: Afranio Peixoto. Historia do Brasil. Original de 1944. Editora nacional.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Category: melhores

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*